quinta-feira, 6 de novembro de 2008

A breve saga de Nick Drake

Em sua curta carreira, Nick Drake lançou três discos que foram um fracasso de público e crítica. Ao lançar o segundo álbum, Drake tinha certeza de que havia criado algo especial. O disco Bryter Layter é hoje a inspiração do som de bandas como Belle and Sebastian, mas, ao ser lançado em 1970, foi ignorado pelas publicações musicais e recebeu críticas frias.

A postura de Nick Drake também não ajudava. Extremamente tímido, o jovem de vinte e poucos anos mal falava com o público nos shows. Geralmente, suas apresentações eram definidas como algo torturante de se assistir devido ao seu visível desconforto e olhos sempre mirando o chão.

Com dois discos fracassados, ele precisou se esforçar para que a gravadora comprasse a idéia de um terceiro projeto. O disco foi gravado em duas noites. No estúdio, apenas Drake, seu violão e o técnico de som. O disco se chamava Pink Moon, um registro extremamente íntimo de voz, violão e uma carga emocional bem forte.

Diz a lenda que Drake deixou as fitas da gravação na portaria da gravadora sem dizer nada à secretária. O material ficou uma semana na mesa até ser achado. Negou-se a promover o disco e teve mais um fracasso de vendas.

Nick Drake morreu em 1974, aos 26 anos, de uma overdose de pílulas. Em 2003, a revista Rolling Stone colocou os três discos de Drake na lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos. Ele é o único artista a ter sua discografia completa na lista.


1. Pink Moon
2. Place To Be
3. Road
4. Which Will
5. Horn
6. Things Behind The Sun
7. Know
8. Parasite
9. Free Ride
10. Harvest Breed
11. From The Morning

5 comentários:

Carlos. disse...

semana passada baixei o Ronnie Lane aqui. aó tenho a agradecer
vlw

Giul, Discoteclando disse...

A excelência do violão de Drake é tão poderosa que influenciou uma gama de artistas distintos... tu citou o belle and sebastian e eu posso te dizer que a afinação aberta do Rich Robinson do Black Crowes, veio primeiro de Drake, embora as pessoas associem com Keith Richards, outra grande influência de Robinson.
Até hoje eu não consegui decidir qual dos três álbuns de Drake é o mais interessante, talvez seja isso, são excelentes e equilibrados, uma força que só secou após algumas pílulas...

atlantic disse...

Fala, Carlos! Ronnie Lane é do caramba. Assim como o Nick Drake, era um cara que fazia as coisas de coração. Pena que o Rod Stewart não aprendeu nada com ele.

Giul, até hoje tem gente que diz que os discos do Drake são muito parecidos e cheguei a me contorcer quando ouvi algo do tipo "o cara é meio Jack Johnson". Quase dei um esporro no ignorante que disse isso, mas opinião é isso aí... às vezes a gente acaba ouvindo atrocidades.

Giul, Discoteclando disse...

Eu terei dado umas boas porradas se o sujeito quer dar uma de sábio e solta uma pérola dessa - possivelmente é o mesmo cara que se é um pouco mais "velho" a primeira coisa que ouviu em música era o Guns, do contrário Nirvana é a raiz de toda a música que ele conhece... paciência? Não!!! Tem mesmo é que dar porrada, e depois passar os links dos nossos blogs...rs.

atlantic disse...

hahahaha... Comparar Nick Drake com Jack Johnson. Esse sujeito vai tomar um pescotapa de Deus quando (e se) chegar lá em cima.