terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Os causos do André


Histórias e bastidores da indústria fonográfica mundial estão nas páginas de "Música, Ídolos e Poder", biografia de André Midani, um ex-executivo que já foi manda-chuva de uma cacetada de gravadoras, das quais destacam-se Warner e EMI.

Na vida de André, o desprendimento e o amor pela música caminham juntos. Sua trajetória cruza com a de nomes como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Jorge Ben e Elis Regina (aliás, a passagem de Elis pelo festival de Montreux é um trecho de arrepiar).

Da ditadura aos versos livres de "Inútil", do Ultraje a Rigor, Midani vai fazendo amigos, ganhando e perdendo amores, cruzando e desviando do egocentrismo de artistas como Rod Stewart e, acima de tudo, vivenciando o nascimento de vários movimentos. Da bossa nova ao rock nacional.

Um livro que não pode ficar parado na prateleira: é daqueles que você sente vontade de ler e emprestar. Fica aí a dica.

4 comentários:

Henrique disse...

Grande dica.

Basf90 também é cultura!

atlantic disse...

Com certeza! Ou não... (A la Caetano Veloso) hehehe

Giul, Discoteclando disse...

Putz... esse livro particularmente me desapontou um tanto... só faltou o cara contar os bastidores mesmo. Ele deu as deixas, mas não aprofundou o assunto em nada.
Mas, mesmo assim, o cara tem história para contar, e o que mais gostei no livro foi ele falando sobre o desembarque na Normandia, nada ver com música, mas, ganha pela inusitada ocorrência do fato na visão de uma criança.
Talvez se ele contasse tudo que viu e que sabe, o livro seria imenso, pessoas seriam chamuscadas, e muitos processos rolariam.

atlantic disse...

Verdade, Giul. O Midani protegeu bastante os músicos amigos dele. Isso ele avisa logo de cara no livro e, por isso, não me decepcionei.

Esperava mesmo ler sobre os diretores, acionistas, tecnocratas. Esses matemáticos que mataram a indústria do disco. Um povo tão cego e tão sem visão do futuro que ainda não conseguiu respostas para uma questão que nasceu com o Napster, em 1999!